Controle estratégico de pragas reduz gasto com defensivos

Há cerca de três anos a Sementes Adriana, empresa sediada em Alto Garças (MT), começou um projeto piloto com com a Embrapa que vem mudando seu modo de encarar as populações de pragas na lavoura. Segundo Emídio Soriano, agrônomo da Sementes Adriana, da safra de 2014/2015 até atualmente, eles começaram a fazer ummanejo menos agressivo, usar menos produtos de choque, e o resultado foi uma diminuição no número de pulverizações, o que teve efeito direto nos custos de produção.

De acordo com a Embrapa – que conduziu um estudo comparativo em alguns talhões levando em consideração o manejo padrão da empresa X o manejo a partir das suas recomendações – o resultado na primeira safra foi de uma economia média de US$ 33 por hectare. O número de produtos aplicados, por sua vez, também foi menor. Enquanto nas áreas comerciais a média foi de 9,5 produtos utilizados, nos locais manejados pela Embrapa a média foi de 5,75.

Soriano relata que foi possível observar ainda um aumento no número de inimigos naturais em consequência do manejo mais adequado. Nas áreas com menor quantidade de pulverizações ele relatou ser evidente a maior presença de insetos predadores das lagartas e percevejos, e de pragas mortas ou debilitadas devido ao ataque de fungos ou vírus. Assim, mesmo sem ter feito a introdução de ferramentas de controle biológico na lavoura, a empresa constatou a eficiência dos inimigos naturais.

À partir de 2013 o projeto ganhou credibilidade, isso fez com que a área experimental tivesse um aumento de 400 ha para 1.200 ha, o ganho foi maior se considerar a mudança de mentalidade que se deu no sistema como um todo.

No caso das lagartas, tanto na área experimental como na padrão se trabdalha com o mesmo nível de infestação para verificar a necessidade de controle. Que no estágio reprodutivo seria 15% de desfolha, e no vegetativo 30%.

Já a precisão do monitoramento muda um pouco. “O pessoal da Embrapa recomenda fazer um ponto a cada 10 hectares, e hoje a gente está fazendo um a cada 20 ha”, diz Soriano, o que confere à técnica um menor grau de detalhe.

Outra diferença existe quanto ao controle do percevejo. “Como isso interfere diretamente no padrão de qualidade do nosso produto, a gente ainda tem um pouco de receio”, conta o engenheiro agrônomo.

E esse é justamente o próximo passo no sentido de avançar para ter um controle de pragas mais estratégico. “Queremos fazer um estudo mais detalhado nesta safra sobre o controle do percevejo, reunir as informações passadas pela Embrapa com a experiência do nosso setor de pesquisa interno”, completa Soriano.

Embora não revele de quanto foi a economia em números absolutos com o uso de inseticidas na última safra, ele afirma que foi de 13%/ha em relação ao manejo padrão, anteriormente adotado. Vantagem que é revertida tanto em benefícios para o bolso quanto para o meio-ambiente.

Leia também:

Infográfico Índice de Confiança do Produtor

Monitoramento e estratégia: Porque você não deveria deixar de investir em uma estratégia de monitoramento 

As 10 Piores pragas da soja 

Soja: Orientações para o plantio da safra de 2016/17 de acordo com cada estado 

As principais etapas para um plantio de sucesso 

Fonte: Portal DBO

Comments